Notícias

Nenhum comentário

Ana Paula Valadão prega sobre a constante da vida no encerramento do Congresso do DT

Na noite de sábado (31) do congresso DT 20 anos, a pastora Ana Paula começou sorteando 4 caixas de diversos materiais DT de presentes, e depois realizou homenagens aos representantes do ministério de voluntariado, das lideranças da Lagoinha e ministério Diante do Trono, bem como os maiores parceiros que serviram e que servem ao longo dos seus 20 anos de história. Oraram e levantaram as mãos em gratidão ao Senhor Jesus por ter supridos as necessidades para expandirem os sonhos revelados do coração do Pai Celestial. Centenas e centenas de pessoas, sendo os melhores recursos, além de muitas empresas com homens e mulheres que se dispuseram a obedecer e cumprir os propósitos do Reino de Deus.

O momento de louvor e adoração foi ministrado por Marine Friesen com canções como “Eu não me esconderei”, “Novo som de Aleluia”, “Ressuscitou, o cordeiro triunfou”. Ao final do período de adoração, houve um Dueto com Marina e pastora Ana Paula na canção: “Como eu te amo”. Em seguida, Marine fez um clamor ao Senhor Jesus por cura interior, libertação e renovo nas vidas e sobre as principais áreas como educação, cultura e política do país, e foi declarada a ressurreição do Brasil neste tempo.

Bate-papo: “O que não pode mudar?”

Conduzido pela pastora Ana Paula, o bate-papo teve a participação dos amigos ministeriais como os pastores Adhemar de Campos, Sóstenes Mendes, Christie Tristão, Bebel Quinlan e André Valadão. O pastor Sóstenes falou sobre alcançarmos as coisas mais preciosas para o Senhor, e que Ele nos conduz passar pela dor para certos propósitos, os quais são bem específicos, pois as adversidades sempre existirão. Falou também sobre o perigo da nova geração se desvincular por causa do ministério itinerante, de não ser discipulado e de não ter compromissos. Disse que esta geração precisa estar em uma igreja, ter compromisso, se submeter a um pastor e se unir aos irmãos e a outras pessoas.

Já o pastor Adhemar de Campos falou da constância do amor de Deus. Tem 44 anos de ministério com sucessos, fracassos, laços, ameaças de morte e, mesmo assim, o amor do Senhor não muda. Precisa ler a Bíblia e orar todos os dias, mesmo sendo um cristão numa longa caminhada cristã. A Bebel falou sobre termos a sensibilidade de dar toda honra e glória ao Senhor e orou pedindo a Deus que tirasse pessoas da caverna.

Enquanto que Christie Tristão disse que entende que o não pode mudar é a paixão por Jesus e que juntos estamos edificando o Reino de Deus. O pastor André Valadão, já com 17 anos de ministério, disse que viajou por mais de 180 cidades do país. Para ele, o desejo de compartilhar de Deus para as pessoas é essencial, nada que Deus faz em você é para si mesmo. Ele disse que valeu a pena receber no secreto e se desesperar em compartilhar a revelação com o próximo numa célula que dirigia para pessoas não crentes.

Finalizando o bate-papo, o pastor Adhemar de Campos ministrou a canção “Tributo a Yeohah” durante a oferta para a Lagoinha, mas antes a pastora Ana Paula pediu que os jovens desta geração sigam os pais espirituais da geração anterior que estão se inserindo nas plataformas digitais.

Palavra: “A constante da vida”

A pastora Ana Paula pregou sobre o tempo para todas as coisas. Falou sobre o processo de espera e sobre podermos ver, como as sementes, que crescem para baixo, e não para cima, no oculto, longe dos holofotes. Falou sobre Eclesiastes 11.1 que fala sobre “atirar o seu pão sobre as águas” e sobre entregar ao Senhor por meio da espera. Segundo ela, quem é apressado ainda não foi quebrantado e que o tempo certo nos mostra as primeiras folhinhas brotando na superfície, gerando flores e frutos.

Ana falou sobre o quebrantamento que nos faz lembrar do amor, que não busca os seus próprios interesses. Nele existe doação, existe espera, existe sacrifício, existe altruísmo. O quebrantamento para plantar, para esperar e para colher. A pastora disse que o tempo da semeadura, da espera e da colheita tem que passar por meio do quebrantamento do Senhor. E sobre aprender a conviver com os espinhos que o Senhor colocou na nossa vida para que haja quebrantamento. Ana Paula falou que a dor que você está passando tem um propósito, nem sempre será por pecado ou maldição.

Na pregação, a pastora falou que a bíblia descreve que para o para o quebrantamento da vida é necessária a renúncia, o sofrimento. Ela também falou que Deus resiste e vai contra aquela pessoa que é soberba, mas a pessoa quebrantada e contrita é morada de Deus.

Ela também falou sobre não abortar os processos que Deus faz na nossa vida. Ela incentivou para não desistirmos, aguentarmos mais um pouco a espera, o quebrantamento e a resposta Dele. Citou a palavra do Senhor: “Se o grão de trigo, cair na terra, e não morrer fica ele só, mas se morrer produzirá muitos frutos (João 12.24)”.

E a igreja celebrou a santa ceia adorando com a “Canção do Apocalipse”, e a pastora Ezenete fez um clamor para que todos tenham um coração quebrantado e contrito para a glória do Pai Celestial, produzindo e florescendo para ser mais parecido com Jesus.

Encerramento

No encerramento, houve um momento suave, porém profético. Alguns jovens que passaram pelo CTMDT e as crianças que ministraram as músicas infantis do DT foram convidados para esse momento. Foram cantados os refrões das 20 canções mais acessadas segundo pesquisas no YouTube.

A surpresa final foi a presença da mãe da pastora Ana Paula, que estava acamada, mas compareceu para fazer um agradecimento ressaltando o estilo de vida de renúncia e obediência da filha, e a satisfação em comemorar o DT 20 anos. E recebeu de presente o do quadro pintado com a menina indiana em liberdade, do artista Diego Mendonça.

:: Comunicação Lagoinha/Diante do Trono