Notícias

Nenhum comentário

21 dias de oração e consagração Congresso Homens e Mulheres DT

Prepararemos nosso espírito para o Congresso Homens e Mulheres Diante do Trono e para o Congresso Crianças DT orando por 21 dias, entre 5 e 25 de julho de 2018. Recomendamos que você também faça algum jejum parcial ou alguma disciplina espiritual que lhe seja adequada.

Por razões diversas, corremos risco de chegarmos num evento como este com a mentalidade consumista ou clientelista de quem espera apenas receber uma prestação de serviços segundo a necessidade específica. Por outro lado, alguns de nós, mesmo com motivação legítima, podem estar com expectativa muito baixa sobre o Congresso. Diante destas hipóteses, propomos a leitura do evangelho de João. Este é um livro ideal para ampliar a compreensão do que Deus já fez, bem como para elevar a expectativa do que Ele fará. Baseado neste texto, cheio de conceitos aprimorados dos eventos da salvação, apresentamos breves devocionais e desafios de oração, seguindo três ênfases específicas: quebrantamento, batalha e adoração. Que esta jornada de oração e meditação nos sintonize juntos em Deus!

Ênfase: QUEBRANTAMENTO

Dia 1 – Expectativa de um encontro.

“No dia seguinte João estava ali novamente com dois dos seus discípulos. Quando viu Jesus passando, disse: ‘Vejam! É o Cordeiro de Deus!’

Ouvindo-o dizer isso, os dois discípulos seguiram a Jesus. Voltando-se e vendo Jesus que os dois o seguiam, perguntou-lhes: ‘O que vocês querem?’ Eles disseram: ‘Rabi’, (que significa Mestre), ‘onde estás hospedado?’

Respondeu ele: ‘Venham e verão’. Então foram, por volta das quatro horas da tarde, viram onde ele estava hospedado e passaram com ele aquele dia” (João 1.35-39).

Mais do que um evento, precisamos de um encontro, no qual nossos corações são acolhidos pela graça de Jesus em cada um de nós. Para isso, precisamos nos abrir e ampliar nossas expectativas relacionais, com pessoas conhecidas e aquelas que conheceremos.

Sem dúvida, haverá um alimento preparado, mas a alma precisa estar humildemente receptiva para recebê-lo. Oremos pelos que ministrarão no Congresso e por cada congressista.

Dia 2 – Abertos para surpresa.

“… e o encarregado da festa provou a água que fora transformada em vinho, sem saber de onde este viera, embora o soubessem os serviçais que haviam tirado a água. Então chamou o noivo e disse: ‘Todos servem primeiro o melhor vinho e, depois que os convidados já beberam bastante, o vinho inferior é servido; mas você guardou o melhor até agora’” (João 2.9,10).

A capacidade de Jesus de nos surpreender jamais se esgota. Ele pode fazer algo novo ou nos fazer experimentar o inédito a partir de um acontecimento já vivenciado antes. Para isso, é necessário seguir suas diretrizes. Em que área de sua vida há necessidade de alegria surpreendente? Oremos para que o nosso coração se abra para o “vinho novo”.

Dia 3 – Coração ensinável.

“Perguntou Nicodemos: ‘Como pode ser isso?’

Disse Jesus: ‘Você é mestre em Israel e não entende essas coisas? Asseguro-lhe que nós falamos do que conhecemos e testemunhamos do que vimos, mas mesmo assim vocês não aceitam o nosso testemunho’” (João 3.9,10).

A vida cristã requer uma postura de quem não sabe tudo o que precisa, mas que está disposto a aprender através das fontes improváveis. O coração ensinável é o requisito para experimentar a graça transformadora. Oremos para sermos terra fértil para as sementes do reino de Deus, as quais germinarão mais vida para nós e para nossa família.

Dia 4 – Disposição para crer.

“O oficial do rei disse: ‘Senhor, vem, antes que o meu filho morra’. Jesus respondeu: ‘Pode ir. O seu filho continuará vivo’. O homem confiou na palavra de Jesus e partiu” (João 4.49,50).

Jesus está sempre conosco, mas há ocasiões de manifestações especiais de seu poder. Nosso Congresso será uma oportunidade extraordinária para sermos socorridos em nossa necessidade individual e familiar. É necessário, contudo, crermos naquilo que Ele falar ao nosso coração. Oremos por essa fé.

Dia 5 – Nossa responsabilidade.

“Mais tarde Jesus o encontrou no templo e lhe disse: ‘Olhe, você está curado. Não volte a pecar, para que algo pior não lhe aconteça’” (João 5.14).

Vivemos num mundo imperfeito, no qual males desproporcionais podem nos atingir, com consequências dolorosas para a família toda. Mas a graça de Deus nos alcança no tempo oportuno. Aleluia! No entanto, jamais devemos nos portar como se fôssemos vítimas. Temos responsabilidade moral por nossas atitudes, antes e depois que as obras de Deus se concretizem em nossa vida. Oremos por um coração grato e perseverante.

Dia 6 – Indo mais fundo.

“Jesus respondeu: ‘A verdade é que vocês estão me procurando, não porque viram os sinais miraculosos, mas porque comeram os pães e ficaram satisfeitos. Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem lhes dará. Deus, o Pai, nele colocou o seu selo de aprovação’” (João 6.26,27).

Deus é poderoso para nos dar uma família abençoada e feliz. Mas, podemos ir além desta busca, legítima, por sinal; podemos, através dos desafios da vida em família, viver os mistérios do reino de Deus. Nossa casa é o melhor ambiente para formação do caráter cristão. Nossas interações familiares podem se tornar sinais da vida vindoura oferecida por Jesus. Oremos para que nossa família seja agente de Deus na terra.

Dia 7 – Aumentando a sede por Deus.

“No último e mais importante dia da festa, Jesus levantou-se e disse em alta voz: ‘Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva’.

Ele estava se referindo ao Espírito, que mais tarde receberiam os que nele cressem. Até então o Espírito ainda não tinha sido dado, pois Jesus ainda não fora glorificado” (João 7.37-39).

Oremos para que todas as circunstâncias vividas até o presente momento, de âmbito individual ou familiar, nos façam aumentar nossa sede pelo Espírito Santo e pela vontade de Deus. Que até mesmo os desafios da inscrição, viagem, hospedagem e participação no evento nos façam ansiar mais por Deus!

 

Ênfase: BATALHA

Dia 8 – Discernindo a batalha espiritual.

“Falando novamente ao povo, Jesus disse: ‘Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida’” (João 8.12);

“Disse Jesus aos judeus que haviam crido nele: ‘Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará’” (João 8.31,32).

Todos nós estamos sujeitos às influências dos conceitos equivocados sobre a vida e os relacionamentos. Às vezes, são conceitos úteis para o casamento e a família, mas que nos distanciam dos propósitos de Deus de nos fazer semelhantes a Jesus. Por isso, precisamos perseverar em suas palavras e exemplo de vida. No entanto, não podemos ignorar a batalha espiritual envolvida nesta atitude. Oremos por discernimento, convicção e perseverança na Palavra a ser ministrada no Congresso.

Dia 9 – Cegueira espiritual

“’Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo’.

Tendo dito isso, ele cuspiu no chão, misturou terra com saliva e aplicou-a aos olhos do homem. Então lhe disse: ‘Vá lavar-se no tanque de Siloé’ (que significa Enviado ). O homem foi, lavou-se e voltou vendo” (João 9.5-7).

Mesmo com as melhores intenções, somos naturalmente cegos para o amor, pois nossa natureza é egoísta e interesseira. Então, é inevitável enfrentar frustração e conflito. Somente pelo evangelho nossos olhos são abertos para a graça de Deus disponível ao relacionamento, visando o bem estar do outro primariamente. Porém, nosso orgulho pode ser um impedimento usado pelo diabo para nos manter indiferentes ou apáticos às verdades ouvidas. Oremos por uma humilde aceitação dos meios que o Espírito Santo escolher para abrir nossos olhos espirituais.

Dia 10 – Ladrão de alegria.

“O ladrão vem apenas para furtar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente” (João 10.10).

Nenhuma família é perfeita. Mas há um grande potencial de satisfação e alegria nos vínculos familiares. A despeito disso, por ignorância ou desatenção, podemos deixar que forças espirituais malignas nos privem das bênçãos relacionais. Isso pode acontecer de maneiras diversas, por exemplo: uso exagerado de celular, ao invés de interação direta com quem está perto; compromissos excessivos; enfermidades no corpo ou na alma; etc. Oremos fervorosamente por proteção e livramento do Senhor.

Dia 11 – Aumento da fé.

“Disse-lhe Jesus: ‘Não lhe falei que, se você cresse, veria a glória de Deus?’” (João 11.40).

Jesus disse estas palavras em frente ao túmulo de Lázaro, a quem Ele ressuscitaria minutos depois. O homem voltou à vida e quase todos os presentes viram a glória de Deus. Que Deus aumente nossa fé em Jesus, para que nossa maior necessidade seja suprida, o diabo seja derrotado e a bênção que recebermos levem muitos a serem atraídos ao evangelho!

Dia 12 – A dor da batalha.

“Agora meu coração está perturbado, e o que direi? ‘Pai, salva-me desta hora?’ Não; eu vim exatamente para isto, para esta hora. ‘Pai, glorifica o teu nome!’” (João 12.27,28).

“Chegou a hora de ser julgado este mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo” (João 12.31).

Embora Jesus tenha morrido e ressuscitado para nossa completa vitória sobre as forças da trevas, ainda resta a nós enfrentarmos dores e angústias em oração por situações específicas. Mas nosso triunfo, através da fé em Jesus, nos torna agentes de bênçãos para outras pessoas. Oremos por coragem e fervor no calor da batalha espiritual.

Dia 13 – Vigilância.

“Estava sendo servido o jantar, e o diabo já havia induzido Judas Iscariotes, filho de Simão, a trair Jesus” (João 13.2).

“Tão logo Judas comeu o pão, Satanás entrou nele” (João 13.27).

Num ambiente tão celestial esse homem deixou-se levar pelo maligno. Isso serve de advertência para nós, a fim de que não percamos a manifestação da graça durante o Congresso. Que o Senhor nos conserve humildes e submissos a Ele!

Dia 14 – Enfrentando o inimigo.

“Já não lhes falarei muito, pois o príncipe deste mundo está vindo. Ele não tem nenhum direito sobre mim. Todavia é preciso que o mundo saiba que amo o Pai e que faço o que meu Pai me ordenou” (João 14.30,31).

Jesus venceu o diabo sujeitando-se ao Pai por amor. Por causa de sua submissão constante o diabo não encontrava espaço em seu coração. Da mesma forma, nossa vitória depende de termos um coração rendido e obediente ao Pai. Oremos para que haja um ambiente de submissão a Deus e uns aos outros durante o Congresso, de maneira que Satanás não encontre lugar em nosso meio.

 

Ênfase: ADORAÇÃO

Dia 15 – Resplandecendo Jesus.

“Meu Pai é glorificado pelo fato de vocês darem muito fruto; e assim serão meus discípulos” (João 15.8).

“Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa” (João 15.11).

Se somos discípulos de Jesus, o propósito principal de nossa vida é trazer satisfação ao Pai. Este estilo de vida garante alegria plena e duradoura. Por isso, peçamos ao Pai a bênção para o Congresso e para nossas vidas, visando, antes de tudo, que nossa história traga glória a Ele, por meio de Jesus.

Dia 16 – Jesus é o centro.

“Mas quando o Espírito da verdade vier, ele os guiará a toda a verdade. Não falará de si mesmo; falará apenas o que ouvir, e lhes anunciará o que está por vir. Ele me glorificará, porque receberá do que é meu e o tornará conhecido a vocês. Tudo o que pertence ao Pai é meu. Por isso eu disse que o Espírito receberá do que é meu e o tornará conhecido a vocês” (João 16.13-15).

Em todo ajuntamento cristão o Espírito Santo sempre opera além de nossa expectativa limitada. Nossas percepções da vida são ampliadas. Experimentamos vários momentos de enlevo espiritual, nos quais percebemos um pouco mais da grandeza de Deus. Somos transformados por seu poder e retornamos para nossas casas mais conscientes de que a salvação está em operação em nossa vida e família. Só não podemos esquecer que nossa história faz parte da grande história de Deus, na qual Jesus é o centro. Oremos por essa conscientização.

Dia 17 – Viver para a glória de Deus.

“Eu te glorifiquei na terra, completando a obra que me deste para fazer” (João 17.4).

“Tudo o que tenho é teu, e tudo o que tens é meu. E eu tenho sido glorificado por meio deles” (João 17.10).

A decisão mais sábia a ser feita é glorificar ao Pai e ao Filho em cada minuto de nossa vida, em cada oportunidade e em cada ambiente. O objetivo principal de nosso Congresso é sermos capacitados para glorificar a Deus como homens e mulheres, da criança ao adulto. Oremos para que cresçamos nesta percepção e disposição de coração.

Dia 18 – Jesus é Rei.

“Disse Jesus: ‘O meu Reino não é deste mundo. Se fosse, os meus servos lutariam para impedir que os judeus me prendessem. Mas agora o meu Reino não é daqui’.

‘Então, você é rei! ‘, disse Pilatos. Jesus respondeu: ‘Tu dizes que sou rei. De fato, por esta razão nasci e para isto vim ao mundo: para testemunhar da verdade. Todos os que são da verdade me ouvem’” (João 18.36,37).

O reino de Jesus começa no coração de quem se deixa ser persuadido pela verdade, ou seja, por quem reconhece a natureza pecado e sua necessidade de ser liberto. A raiz do pecado é a busca da satisfação própria, mesmo por coisas legítimas, acima do desejo pela glória de Deus. A salvação está na entronização de Jesus no coração acima de nossa vontade. Oremos por uma atitude de súditos, que busca bênçãos, mas para melhor servir ao Rei Jesus.

Dia 19 – Está consumado.

“Mais tarde, sabendo então que tudo estava concluído, para que a Escritura se cumprisse, Jesus disse: ‘Tenho sede’.

Estava ali uma vasilha cheia de vinagre. Então embeberam uma esponja nela, colocaram a esponja na ponta de um caniço de hissopo e a ergueram até os lábios de Jesus. Tendo-o provado, Jesus disse: ‘Está consumado!’ Com isso, curvou a cabeça e entregou o espírito” (João 19.28-30).

Passaremos a eternidade tentando entender a sublimidade da vida e da morte de Jesus. Mas, por este relato do evangelho percebemos que Jesus quis mostrar-nos que Ele experimentou todas as dores e dissabores da existência humana. Por isso, Ele sabe nos socorrer de modo compassivo. Adoremos ao Rei que pagou com sua vida por nossos pecados individuais e familiares.

Dia 20 – Crendo sem ver.

“Disse-lhe Tomé: ‘Senhor meu e Deus meu!’

Então Jesus lhe disse: ‘Porque me viu, você creu? Felizes os que não viram e creram’.

Jesus realizou na presença dos seus discípulos muitos outros sinais miraculosos, que não estão registrados neste livro. Mas estes foram escritos para que vocês creiam que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus e, crendo, tenham vida em seu nome” (João 20.28-31).

Tudo aquilo que precisamos saber para crermos que Jesus é o Filho de Deus está registrado no evangelho de João. E ao crermos, passamos a desfrutar de uma vida que se tornará plena após a nossa ressurreição ou a transformação a se realizar no retorno de Jesus em glória. Essa vida, por meio de Jesus, tem reflexo em todas as circunstâncias, inclusive nos relacionamentos familiares. É algo sobrenatural e acessível somente pela fé. Não se deve esperar alguma evidência visível para se crer. Por esta mesma fé, obedeceremos a Deus em nossos papéis de filhos, pais, maridos e esposas. Glorifiquemos ao Senhor com nossa fé!

Dia 21 – Você me ama?

“Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: ‘Simão, filho de João, você me ama realmente mais do que estes?’ Disse ele: ‘Sim, Senhor, tu sabes que te amo’. Disse Jesus: ‘Cuide dos meus cordeiros’.

Novamente Jesus disse: ‘Simão, filho de João, você realmente me ama?’ Ele respondeu: ‘Sim, Senhor tu sabes que te amo’. Disse Jesus: ‘Pastoreie as minhas ovelhas’.

Pela terceira vez, ele lhe disse: ‘Simão, filho de João, você me ama?’ Pedro ficou magoado por Jesus lhe ter perguntado pela terceira vez ‘Você me ama?’ e lhe disse: ‘Senhor, tu sabes todas as coisas e sabes que te amo’. Disse-lhe Jesus: ‘Cuide das minhas ovelhas’” (João 21.15-17).

Durante todo o evangelho de João vemos Jesus ampliar conceitos e dar novos significados aos eventos diversos da vida. Aqui não é diferente. Jesus sujeita nossa vocação de cuidar das pessoas ao nosso amor por Ele. Dessa forma, todos os nossos atos em benefício de qualquer pessoa serão realizados, antes de tudo, por amor a Jesus. Vemos, então, como Ele dá nova dimensão e maior nível de transcendência às ações mais singelas de cuidado. Que o nosso amor pelo Jesus revelado neste evangelho aumente mais e mais! Amém!